• Document: World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Helicobacter Pylori em Países em Desenvolvimento
  • Size: 918.51 KB
  • Uploaded: 2019-07-20 23:28:07
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

WGO Practice Guidelines: Helicobacter Pylori em Países em Desenvolvimento World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Helicobacter Pylori em Países em Desenvolvimento November 2006 Time de revisão • Prof. R.H. Hunt, Chair, (Canadá) • Prof. S.D. Xiao, (China) • Prof. F. Megraud, (França) • Prof. R. Leon-Barua, (Peru) • Prof. F. Bazzoli, (Itália) • Prof. S. van der Merwe, (África do Sul) • Prof. L.G. Vaz Coelho, (Brasil) • Prof. K.M. Fock, (Singapura) • Prof. S. Fedail, (Sudão) • Prof. H. Cohen, (Uruguai) • Prof. P. Malfertheiner, (Alemanha) • Prof. N. Vakil, (EUA) • Prof. S. Hamid, (Paquistão) • Prof. K.L. Goh, (Malásia) • Prof. B.C.Y. Wong, (Hong Kong) • Drs. J.H. Krabshuis, (França) • Médico Tradutor: S.G. Jorge (Brasil) Conteúdo • Introdução • 1. Resumo e Abreviações • 2. Epidemiologia • 3. Patogênese, História Natural e Condições Associadas • 4. Diagnóstico do Helicobacter Pylori • 5. Gerenciamento da Infecção pelo Helicobacter Pylori Infection • 6. Rastreamento para o Helicobacter Pylori • 7. Websites Úteis, Diretrizes e Leitura Adicional • 8. Apêndice 1: Grupos de Consenso e Outras Recomendações • 9. Questões e Sugestões Introdução Barry Marshall WGO Practice Guidelines: Helicobacter Pylori em Países em Desenvolvimento É com alegria que recomendo o guia anexo sobre o Helicobacter pylori em países em desenvolvimento. O guia foi compilado por vários especialistas mundiais nesta área, com muitos anos de prática clínica. Afortunadamente, nem todos os métodos de gerenciamento do H. pylori são dispendiosos, e a análise lógica das características da doença em cada país pode levar a um plano de tratamento ideal. Inicialmente, nem todos os pacientes com H. pylori podem ser tratados, pois os recursos são (l-r) Barry Marshall, Robin Warren limitados. No entanto, a erradicação do onipresente "verme da úlcera" é o primeiro passo na libertação de pacientes com dispepsia crônica e/ou doença ulcerosa do dispendioso uso de medicações por toda a vida. Estratégias não invasivas de "testar-e-tratar" têm que ser balanceadas com fatores clínicos e uma estimativa do risco possível de câncer em cada paciente. Este estudo atinge um equilíbrio prático e útil. À medida que você desenvolver experiência na sua própria área, tenho certeza de que poderá aprimorar ainda mais as estratégias listadas aqui. Professor Barry Marshall, Laureado com Nobel Helicobacter Research Laboratory The University of Western Australia Perth, Western Australia 1. Resumo e Abreviações Helicobacter é um gênero de bactérias gram-negativas e microaerofílicas da família Spirillaceae, consistindo de organismos móveis e espiralados com flagelos embainhados múltiplos. O Helicobacter pylori (Hp) é comum e infecta metade da população mundial - a prevalência é maior em países em desenvolvimento e menor em desenvolvidos. Em países em desenvolvimento, o Hp é uma questão de saúde pública. A alta prevalência da infecção requer o desenvolvimento de intervenções sanitárias. A vacinação, com uma vacina terapêutica, provavelmente seria a única estratégia que levaria a uma diferença decisiva na prevalência e incidência mundiais. A estratégia a curto prazo - e a alocação de recursos para a sua implementação - seria a de "testar-e-tratar" aqueles com risco de doença ulcerativa péptica ou câncer gástrico, além daqueles com sintomas severos de dispepsia e indigestão. O tratamento de erradicação do Hp utiliza terapia tríplice (um IBP + dois antibióticos) ou quádrupla (um IBP + dois antibióticos + bismuto) se o bismuto estiver disponível. A terapia WGO Practice Guidelines: Helicobacter Pylori em Países em Desenvolvimento quádrupla é mais barata e tão boa quanto a tripla e ambas atingem altos índices de erradicação. A duração do tratamento permanece controversa, mas não há grandes diferenças no prognóstico entre 14, 10 e 7 dias, enquanto as diferenças de custo podem ser significativas. A resistência antimicrobiana é alta em países em desenvolvimento. Além disso, nesses há o risco de que medicamentos genéricos de alta qualidade podem ser eliminados do mercado pela competição com medicamentos mais baratos e falsos. Abreviações SBC Subcitrato de bismuto coloidal FISH Fluorescência hibridização in-situ DRGE Doença do Refluxo Gastroesofágico PBP Ponto de Boa Prática (Good practice point) ARH2 Antagonista do Receptor de Histamina2 SII Síndrome do Intestin

Recently converted files (publicly available):